Você está em: Principal → Mídia → Notícias

notícias

22 de janeiro de 2014

Hospitais da Mulher e da Mãe de Mesquita realizaram mais de 11 mil partos em 2013

Uma região com grande demanda de atendimento para gestantes desde o pré-natal, parto e pós-parto era a realidade existente na Baixada Fluminense até pouco tempo atrás. Sem opção de assistência médica, milhares de mulheres buscavam os hospitais da capital ou dos municípios próximos durante a gestação e o parto. Este é o caso de Joice Pereira, moradora de Nilópolis, que em 2008 precisou recorrer ao atendimento em uma maternidade de Marechal Hermes para dar à luz Emily Tomaz, sua primeira filha.

- Quando estava grávida da Emily ainda não sabia onde minha filha iria nascer. Procurei uma maternidade em Marechal Hermes porque o hospital que há em Nilópolis é voltado para gravidez de alto risco, o que não era o meu caso. Já quando fui ter o meu segundo filho, eu sabia que poderia recorrer ao Hospital da Mãe de Mesquita e quando estive no local, ainda grávida, acompanhando minha tia, gostei muito da organização e da receptividade dos funcionários - relata Joice, que deu à luz Júlio Tomaz no último dia 08 de janeiro.

Esta realidade começou a mudar em 2010, quando o Hospital da Mulher Heloneida Studart, referência no atendimento de gestantes e bebês de alta complexidade, foi inaugurado.

Dois anos depois, as mães da Baixada Fluminense ganharam mais um reforço na assistência em saúde, com a inauguração do Hospital e Clínica da Mãe de Mesquita. No ano passado, 11.106 partos foram realizados nas duas unidades, que hoje são as principais referências para uma população que, segundo dados do IBGE de 2010, soma 3,6 milhões de pessoas.

Recursos de ponta - O Hospital da Mulher Heloneida Studart (HMHS), em São João de Meriti, conta 59 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Unidade Intermediária (UI) Adulto e Neonatal. A unidade realizou no ano passado, 93.804 exames, sendo 22.781 de mamografias, um importante recurso à disposição das mulheres da região. Lá, também há um ambulatório que é referência no estado no atendimento de pacientes com Doença Trofoblástica Gestacional, conhecida como NTG. Ela é normalmente identificada quando a mulher faz exame de gravidez, apresenta sangramento e, após realizar ultrassom, descobre que tem uma mola hidatiforme, que é um tumor que pode se tornar maligno. As pacientes são tratadas no local e recebem acompanhamento por até um ano. Mulheres de todos os municípios do Rio de Janeiro são encaminhadas à unidade e, em 2013, 3.203 consultas foram realizadas no ambulatório para tratamento de NTG. No HMHS também são comuns casos de atendimento de bebês que nascem prematuros e com menos de 1 kg.

- Contamos com uma equipe multidisciplinar altamente especializada, equipamentos médicos e medicamentos avançados para atender casos graves de gestantes e bebês de alto risco. Com isso, estamos conseguindo manter indicadores assistenciais de padrão internacional, como é o caso da mortalidade de mulheres internadas na UTI, que no HMHS é de 1,9%, em média, sendo que, segundo dados da literatura médica internacional, esta taxa é de 8,4% - explica o diretor do Hospital da Mulher, Helton Setta.

Reforço extra - O Hospital e Clinica da Mãe de Mesquita (HCM) também representa um importante avanço à Baixada Fluminense. Especializada no atendimento de gestantes e bebês de baixo risco, o HCM realizou no ano passado, 6.331 partos e mantém uma das melhores taxas de realização de parto normal da rede estadual, com 74% dos procedimentos. Outro indicador importante da qualidade da assistência prestada à população usuária do SUS é a taxa de satisfação no atendimento, que fechou o ano em 98%. Alguns dos serviços oferecidos às pacientes são pioneiros no país como o uso de óxido nitroso para analgesia de parto. Muito usada na Inglaterra, a técnica anestésica traz grande conforto às mulheres durante o trabalho de parto, além da sala Pré-Parto, Parto e Pós-Parto, também conhecidas como PPP. Lá, a gestante é encaminhada quando já está prestes a dar à luz e tem acesso a métodos que vão ajudá-la na hora do parto, como bola de fisioterapia, cavalinho etc. Quando chega a hora, a cama se transforma em mesa cirúrgica de parto normal e o acompanhante pode ver de perto a chegada do bebê. Outro recurso de destaque é a fisioterapia durante o pré-natal, indicada para diminuir a dor e os problemas de circulação relacionados à gestação.

Investimento em pesquisa - Uma equipe de profissionais do Hospital da Mãe realizou duas pesquisas que foram apresentadas, em novembro de 2013, no 55º Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia. Os temas dos estudos foram "Óbitos Fetais por Sífilis" e "Epidemiologia dos Óbitos Fetais" e os assuntos foram escolhidos em função da alta indecência de pacientes com Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e as condições de saúde das gestantes na Baixada Fluminense. O objetivo é que os trabalhos forneçam subsídios para a elaboração de estratégias públicas de saúde à população. Os dados foram coletados entre 1.200 mulheres, por meio de entrevistas, análise laboratorial e de prontuários. Nos resultados obtidos sobre a incidência de sífilis, por exemplo, foi possível observar que apenas 28,6% das gestantes realizaram teste para identificar a presença da doença durante o pré-natal e que no momento da internação, 37,8% delas obtiveram resultado positivo para a presença da doença. O tratamento da sífilis durante o pré-natal poderia reduzir a incidência de casos de morte de bebês ou o número de partos prematuros.

Gestão - Desde abril de 2012, a Secretaria de Estado de Saúde vem reorientando o modelo de gestão e atenção à saúde no Estado do Rio de Janeiro no intuito de melhorar a prestação dos serviços e a satisfação do usuário. A implementação dessa nova forma de administração tem como objetivos reduzir custo, melhorar a gestão e garantir um atendimento de qualidade à população. O Hospital da Mulher e da Mãe de Mesquita passaram a ser gerenciados pela Organização Social de Saúde Hospital Maternidade Therezinha de Jesus (OSS HMTJ), fornecendo todos os recursos humanos e materiais necessários ao adequado funcionamento do hospital, dentro dos parâmetros e diretrizes estabelecidos pela Secretaria.

 

nossas unidades

UPA Nova Serrana


Hospital de clinicas sul - São José dos Campos

Hospital de Clinicas Sul
São José dos Campos

Upa Norte Betim

UPA Norte Betim